pub
Imprimir

Governo apresenta até 15 de Dezembro pacote de apoio aos pequenos agricultores

O Governo prepara-se para apresentar, «até 15 de Dezembro», um «pacote de medidas para apoiar os pequenos agricultores», com um volume de negócios anual até 30 mil euros, anunciou ontem o secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, na abertura do Festival da Batata-Doce, em Aljezur.

José Amarelinho, o presidente da Câmara local, já tinha chamado a atenção, no seu discurso, para a necessidade de não esquecer os pequenos agricultores que teimam em cultivar produtos de grande qualidade, como a batata-doce de Aljezur, da variedade lyra, que já é DOP, ou seja, tem a sua Denominação de Origem Protegida.

Miguel Freitas acrescentou que, «também este ano», será apresentado o Estatuto do Jovem Empresário Rural, «aquele que, para além da agricultura, também faz outras coisas», porque «a dimensão da sua propriedade não lhe permite ter rentabilidade suficiente», obrigando-o a «olhar para outros lados» e outras atividades complementares, no mundo rural.

Por último, o secretário de Estado, que conhece bem a realidade algarvia por ter sido já diretor regional de Agricultura, bem como professor da Universidade do Algarve e deputado pela região, anunciou que o Governo «está a trabalhar a nova estratégia nacional para a agricultura biológica», havendo já medidas concretas de apoio contidas na proposta de Orçamento de Estado para 2018, atualmente em discussão na Assembleia da República.

Mas as novidades trazidas a Aljezur pelo algarvio Miguel Freitas não se ficaram por aqui. «A agricultura é muito importante para proteger o nosso espaço rural», assim como a floresta. E, neste âmbito, o secretário de Estado sublinhou a «boa experiência» da Associação de Municípios Terras do Infante, que junta Lagos, Aljezur e Vila do Bispo e que tem, por exemplo, equipas próprias de sapadores a intervir na floresta e nas matas da região.  «Vamos replicar este exemplo pelo país», garantiu.

Para isso, em breve haverá «uma reunião com todas as Comunidades Intermunicipais do país», onde o objetivo será não só «olhar para as áreas ardidas, mas também para o que não ardeu».

Miguel Freitas disse que no Algarve haverá dois grandes eixos de reforço do trabalho «na rede primária de proteção»: as áreas de Monchique/Terras do Infante e da Serra do Caldeirão/Nordeste Algarvio/Alcoutim. Uma das medidas concretas anunciadas foi o «reforço das equipas de sapadores florestais».

«Temos de deixar de olhar para o país como se ele fosse todo igual», concluiu o secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural.

A abertura do Festival da Batata-Doce de Aljezur, que se prolonga até amanhã, no Pavilhão Multiusos da vila, continuou depois com uma visita ao certame e com um jantar, onde o prato forte foi a batata-doce. No percurso pelo recinto, Miguel Freitas provou a nova «Tuber Bock», a cerveja artesanal feita com batata-doce, por dois jovens mestres cervejeiros, um algarvio e um alentejano, que é a grande novidade desta edição.

Mais tarde, no stand de um produtor de mel de Aljezur, o secretário de Estado, acompanhado pela comitiva que integrava, entre outros, o diretor regional de Agricultura, conversou longamente sobre os problemas deste importante setor da economia local.

O Festival pode ser visitado este sábado, das 12h00 às 24h00, e no domingo, das 12h00 às 22h00. A entrada e o estacionamento são gratuitos. Para consultar o programa completo, clique aqui.

 

Fotos: Elisabete Rodrigues|Sul Informação

 

Comentários

pub