pub
Imprimir

Vai “Um copo de jazz” no Club Farense?

Jazz, tanto com artistas «de craveira nacional» como com músicos algarvios, para ser apreciado enquanto se bebe um (bom) vinho. Isto é “Um Copo de Jazz” a ser servido já a partir deste domingo, 8 de Outubro, às 18h00, no Club Farense, em plena rua de Santo António, em Faro.

É que a iniciativa quer assim juntar o melhor de dois mundos, com vinhos preferencialmente algarvios. Para amanhã, a proposta musical passa por André Murraças, no saxofone, e Guilherme Melo, na bateria, naquela que é a primeira edição da rubrica “Zé Eduardo convida”.

O músico é o diretor artístico de “Um Copo de Jazz” e confessou ao Sul Informação estar «muito contente» por fazer parte do evento. «Esta direção do Club Farense é muito ativa, felizmente para a cidade. Eu tenho um certo know how e juntos fazemos uma equipa boa», acrescentou.

Assim, ao segundo e último domingos de cada mês – de Outubro a Maio – haverá sempre “Um Copo de Jazz”, às 18h00. «Esta é uma forma de, em Faro, haver uma oferta diferenciadora num espaço que é nobre», considerou Augusto Miranda, presidente do Club Farense, em entrevista ao nosso jornal.

«Há dois anos fizemos um protocolo com o Ginásio de Tavira e com o Museu de São Brás de Alportel, em que tínhamos jazz ao segundo domingo, mas verificámos que isso não trazia grandes vantagens, nem ajudava à ideia essencial que era trazer cá artistas», conta o responsável.

Assim, o Club Farense decidiu fazer uma iniciativa própria, criando “Um copo de Jazz”. Outros dos concertos a realizarem-se são, por exemplo, no dia 22 de Outubro os “Cool Manouche”, um grupo de jazz manouche e gypsy jazz, ou os “Meersalz”, no dia 12 de Novembro.

Para dia 26 de Novembro fica reservado o concerto de João Coelho (piano) e João Sousa (bateria), acompanhados por Zé Eduardo.

Já no dia 10 de Dezembro está agendada a atuação de um dos primeiros grandes nomes: Mário Delgado, com quem Zé Eduardo já tocou «há quase 20 anos».

E se é verdade que a iniciativa vai durar até Maio, durante a época baixa, por agora apenas se conhece a programação até Dezembro.

Até ao fim do evento a expetativa é ter «sempre sala composta». «Queremos que este copo de jazz se transforme e possamos comprar mais garrafas», disse, entre risos, Augusto Miranda.

O músico Zé Eduardo tem opinião idêntica: «suponho que vai ser um sucesso, uma vez que junta o útil ao agradável».

Ou seja: o vinho à música. A entrada para cada concerto vai ser paga, com os bilhetes a custarem 7 ou 8 euros. Para consultar o programa completo clique aqui.

 

Fotos: Pedro Lemos | Sul Informação

Comentários

pub