pub
Imprimir

Primeiro fim de semana de Abril é dedicado ao medronho em Monchique

O medronho vai ser “rei”, em Monchique, nos dias 1 e 2 de Abril, com a realização do 2º Festival do Medronho de Monchique, no Heliporto Municipal.

A Câmara de Monchique diz que «este festival vem testemunhar a importância que o medronho tem na economia, no tecido social, na criação de oferta turística e, acima de tudo, na transmissão de tradições aliadas à perspetiva da modernização».

Mais do que uma mostra de produtos e produtores, este certame vai debater o futuro das atividades ligadas ao fruto, vai ter encontros artísticos, magia com alambiques, showcookings, música, cinema, automobilismo… sempre com um denominador comum: o medronho.

Durante o Festival do Medronho, vão estar em debate temas como “O que é Português é bom! Da internacionalização do Medronho e de outros produtos tradicionais/regionais” e “As boas ideias não têm idade, nem se gastam – Da modernização dos produtos tradicionais como o medronho”.

Segundo a autarquia monchiquense, esta segunda edição do certame reúne «casos práticos e empresas de sucesso com projetos de modernização de produtos tradicionais e estratégias de internacionalização e comercialização interessantes».

Entre os convidados, incluem-se Marta Aragão, formadora e marketeer, José Conceição, vice-presidente da associação dos produtores de figo da Índia, José Oliveira, diretor geral da Areal, António Magalhães, representante da NKA e do projeto “Algarve Store & Business Online”, Ana Marques Pereira, autora de vários livros sobre o universo da cozinha e da culinária ao longo dos séculos, Álvaro Viegas, presidente da ACRAL, ou representantes da Conserveira de Lisboa.

Para explorar o medronho enquanto bebida, vai realizar-se a competição “Flair Bartending” e, durante o Festival, haverá também uma exposição de todas as marcas de Aguardente de Medronho engarrafadas em Monchique nos últimos 40 anos. «Todas estas garrafas guardam uma história. Uma história de família, de processo, de comercialização», diz a autarquia.

Já «para dinamizar o medronho enquanto fruto», haverá no “Espaço Sabores” diversos momentos de showcooking, dinamizados pela Associação de Cozinheiros e Pasteleiros do Algarve, e também mostras e degustações de doçaria, compotas e licores de medronho, bem como momentos de apresentação de doçaria tradicional reinventada pelas pastelarias locais, sempre com o medronho presente.

Nesta vertente, o festival convida a uma união de sabores, com a presença de chefes de cozinha internacional, tais como Valéria Olivari, chef peruana, que irá criar pratos típicos do seu país de origem mas com medronho.

Ao nível da animação, haverá espetáculos de magia com alambiques com Carlos Rivotti, fado com Adriana Marques, Custódio Castelo e o João Chora, Stand Up Comedy com Sandro Colaço e atuação do Grupo de Cantares da Confraria do Medronho.

Além disso, estão agendadas demonstrações do processo de destilação com alambique ao vivo, será exibido o documentário sobre a produção de aguardente de medronho – Casa do Medronho de Marmelete e será apresentado o projeto “Terra”, um trabalho discográfico, de caráter solidário, que surgiu na sequência dos incêndios de Setembro de 2016, na Serra de Monchique. Esta apresentação será precedida de um concerto com duas bandas participantes no projeto: Helena Madeira (voz e harpa) e OrBlua (voz e percussão).

O Festival do Medronho de Monchique vai receber ainda uma exposição de aguardentes do mundo e o Concurso de Rótulos das Garrafas dos Produtores de Aguardente de Medronho de Monchique presentes no certame.

O evento é promovido pela Câmara Municipal de Monchique, em parceria com a Associação de Produtores de Aguardente de Medronho (APAGARBE) e a Confraria do Medronho.

Comentários

pub
pub

Em foco

pub
pub