pub
Imprimir

Obras de requalificação da EN125 recomeçam na quinta-feira

As obras de requalificação da EN125 vão ser relançadas na quinta-feira. O reinício dos trabalhos a cargo da concessionária Rotas do Algarve Litoral motivará uma cerimónia, marcada para a rotunda de Caliças, em Lagos, onde a empresa responsável pelas obras entre Olhão e Vila do Bispo apresentará os trabalhos finais desta empreitada.

A cerimónia contará com a presença do ministro das Infraestruturas Pedro Marques, que em Outubro tinha garantido que as obras iriam recomeçar «no final do ano [2016] ou no início de 2017». Pouco antes do Natal, reafirmou que as obras iriam começar em breve, dentro «de semanas ou um mês». Também presente estará Rui Sousa, administrador  executivo da Rotas do Algarve Litoral, que apresentará o plano de trabalhos a partir daqui.

Jorge Botelho, presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL), em declarações ao Sul Informação, considerou o anúncio do recomeço das obras, paradas desde o Verão, à espera do visto do Tribunal de Contas, como «uma boa notícia». Depois, acrescentou, «esperamos que rapidamente terminem».

O autarca disse saber que «a situação do visto no Tribunal de Contas está resolvida», acrescentando que a concessionária vai agora fazer «todos os esforços para terminar as obras antes do Verão».

Apesar da boa notícia, Jorge Botelho não tem ainda informação sobre quando começarão os trabalhos no troço entre Olhão e Vila Real de Santo António, uma vez que lhe terá sido dito que «iam avançar os concursos para que se comece a fazer a obra, de acordo com o mapa de trabalhos». Poderá ser uma «versão faseada ou uma versão completa» dos trabalhos, mas o presidente da AMAL diz preferir esperar para ver, antes de fazer mais comentários.

Botelho acrescentou que, «ao nível dos projetos, está tudo fechado e articulado com as Câmaras Municipais, mas nós queremos que as Infraestruturas de Portugal avancem com os concursos do sub-lanço, que eu sei que vão ser por fases, para que possamos ter obras no terreno». «Mas vamos ver o que diz o ministro», disse.

De uma coisa Jorge Botelho tem a certeza: «as obras são urgentes e têm de ser colocadas no terreno, tanto de um lado, como do outro», ou seja, tanto no troço concessionado entre Vila do Bispo e Olhão, como no restante, de Olhão a Vila Real de Santo António, cujas obras estarão sob a responsabilidade das Infraestruturas de Portugal.

Comentários

pub