pub
Imprimir

EN125 entre Maritenda e Fontainhas vai ficar cortada até 15 de Julho

EN125_pontão na zona da Maritenda

Passagem superior da EN125 sobre a linha férrea, na zona da Maritenda

A estrada nacional 125, no troço de quase 10 quilómetros entre Maritenda e o cruzamento das Fontainhas/Ferreiras, vai estar cortado a todo o trânsito automóvel, a partir de segunda-feira, dia 9 de Maio, e até ao próximo dia 15 de Julho, soube o Sul Informação junto de uma fonte da concessionária Rotas do Algarve Litoral.

O corte total de um dos troços mais movimentados da EN125, entrando pelo Verão adentro, deve-se à necessidade de «demolir por completo e depois reconstruir os tabuleiros» das duas passagens superiores da EN125 sobre a linha férrea, situadas na zona da Maritenda (perto de Boliqueime, concelho de Loulé) e do cruzamento com semáforos das Fontainhas (perto das Ferreiras, já no concelho de Albufeira).

A mesma fonte explicou que os trabalhos «só vão ser feitos durante a noite, por razões de segurança da ferrovia», já que é preciso manter a circulação dos comboios durante o dia, que, ao contrário dos carros, não têm acessos alternativos. Os trabalhos obrigam a desligar a catenária (alimentação elétrica dos comboios), o que apenas pode ser feito quando não há circulação na via, ou seja, durante a noite.

 

EN125_Cruzamento das Fontainhas

Cruzamento das Fontainhas, na EN125

O desvio do trânsito da já de si caótica EN125 vai agora ser feito por estradas municipais, que «estarão devidamente sinalizadas». No sentido Faro/Portimão, na zona antes da subida para a Maritenda, o tráfego será desviado para a esquerda, em direção a Sul, pela estrada municipal M526, que dá acesso a Vilamoura e Albufeira, passando pela Kadok e pela Patã de Baixo e virando depois para Norte, pela M1285, passando pela Mosqueira, até retomar a EN125, no cruzamento das Fontainhas. O mesmo trajeto será usado no sentido inverso.

Quem vier da Via do Infante e sair, por exemplo, no nó de Boliqueime, poderá usar o acesso que cruza a EN125 na zona onde está a ser construída a nova rotunda da Fonte de Boliqueime e seguir em frente em direção à Kadok, pelas estradas municipais.

Mas há um problema acrescido: é que os veículos pesados não podem usar esses desvios, pelo facto de haver estrangulamentos nas estradas, como a passagem por baixo da linha férrea, perto da Kadok, que apenas dá acesso a veículos até 2,10 metros. Ou algumas zonas mais apertadas na zona da Patã de Baixo. Para os pesados, a recomendação é que saiam da A22 antes ou depois do nó de Boliqueime, conforme a zona a sul da EN125 para que se dirigem.

Quanto aos moradores das zonas servidas pela EN125 que vão ficar cortadas, será facilitado, tanto quanto possível, o seu acesso às suas zonas de residência. Mas mesmo esses poderão ter de fazer grandes desvios.

O anúncio deste corte na EN125 contradiz, assim, a garantia que a Rotas do Algarve Litoral teria dado à empresa Infraestruturas de Portugal de que não haveria obras na principal estrada nacional algarvia durante o Verão. Um porta-voz da IP tinha dito ao Sul Informação, há duas semanas, haver a garantia de que apenas se poderiam manter «algumas intervenções na berma, mas que não colidam com a normal circulação do trânsito».

A fonte da RAL revelou ao nosso jornal que o objetivo da concessionária era que as obras tivessem começado «mais cedo», mas que isso «não foi possível», não especificando as razões para tal.

Pelos vistos, nem o facto de estradas e via férrea estarem agora sob a tutela da mesma empresa pública, a Infraestruturas de Portugal, permitiu apressar o início dos trabalhos…

 

Mapa do troço da EN125 a cortar e do desvio:

Desvio EN 1251

Comentários

pub
pub

Em foco

pub
Logo Lugar ao Sul
pub
pub